Categoria
Compartilhe

Compartilhe por email

Preencha o nome e email para quem você deseja compartilhar

Com crescimento de receita, volume e margem, companhia decide dar a largada a novo ciclo de expansão e investir R$ 600 milhões em 2022.

A Alpargatas, para quem tinha dúvida do momento da companhia, colocou tudo em bases oficiais. A empresa, dona das marcas Havaianas e Osklen, deu largada em um novo ciclo de crescimento. A companhia vai investir R$ 600 milhões em 2022 em aumento de capacidade e em um novo centro de distribuição, para suportar a expansão e melhorar a experiência de entrega da empresa. Com esse total, haverá ampliação em três unidades fabris e, além disso, a instalação que antes fabricava Mizuno será convertida, agora que a licença foi vendida.

Roberto Funari, presidente da companhia, não gosta de falar em números sobre capacidade produtiva. "É um tipo de guidance, né!?". Mas enfatiza: “Estamos dobrando a aposta. O investimento acumulado em 2022 e 2021 vai alcançar R$ 900 milhões. Isso em uma companhia que investia em média de R$ 70 a R$ 80 milhões por ano desde a inauguração da fábrica em Montes Claros, em 2013”, destaca o executivo em entrevista ao EXAME IN.

Além disso, a empresa também decidiu ativamente buscar oportunidades de crescimento inorgânico. Em outras palavras: aquisições. De acordo com Funari, podem ser tanto outras marcas, como serviços. Quem ficará à frente dessa área será Leonardo Medeiros, atual vice-presidente da Osklen. Na esteira desse chacoalhão no negócio, Maria Fernanda Albuquerque assume o marketing global da Havaianas. Há poucos meses, a companhia também anunciou a contratação de Ana Paula Bógus. A executiva, que será vice-presidente, chega para fortalecer a frente digital. Com experiência em diversas empresas do setor de consumo, estava na Rappi antes da mudança.

Nos últimos anos, o crescimento das vendas esticou a capacidade produtiva da Havaianas. Até março de 2019, no acumulado de 12 meses, a companhia vendeu 243 milhões de pares. No acumulado de 12 meses que terminou em setembro, esse total alcançou 265 milhões.

O plano de investimento chega junto com um dividendo recorde na história da companhia, anunciado numa só tacada. A Alpargatas vai pagar R$ 150 milhões em proventos antecipados aos investidores, composto por dividendos e juros sobre capital próprio — referentes ao balanço de 2021. “É certamente o maior dos últimos dez anos e não temos medida antes”, destaca Funari, ciente de que dificilmente houve qualquer volume comparável.

O que está motivando a Alpargatas a tal movimento? Simples: recordes atrás de recordes — crescimento de receita, volume e margem. O terceiro trimestre superou os recordes recentes. De julho a setembro, a receita líquida alcançou R$ 1,063 bilhão, com expansão de 13%. No acumulado dos primeiros nove meses, esse total chegou a R$ 2,86 bilhões, com alta de 34%. Nessa conta, as exportações pesaram bastante.

“Em nove meses, a Havaianas Internacional superou 25 milhões de pares vendidos e receita de R$ 1 bilhão”, conta um Funari sorridente. Atualmente, as vendas fora do Brasil representam 35% do total, ante 32% em igual período do ano passado. “Historicamente, esse percentual ficava sempre abaixo de 30%.” Questionado, o executivo fala em alto e bom som que o mercado internacional, no futuro, será maior que o nacional. Quando isso deve acontecer? "É a pergunta do milhão", responde.

De janeiro a setembro, a operação internacional não apenas teve expansão de 46% na receita, mas também de margem bruta e Ebitda. O lucro bruto avançou 35% e o Ebitda aumentou mais de 200%. Portanto, para entender as razões de novos investimentos, basta olhar o balanço. As vendas no Brasil, em volume, tiveram expansão de 16,8% e no mercado internacional, de 46,2%, de janeiro a setembro.

Mas não é apenas a Havaianas, o flip flop tradicional, que tem feito sucesso. A Alpargatas vem num esforço contínuo de ampliar o mix de produtos e melhorar tíquete de venda. Além do aumento nas vendas de sandálias, a companhia registrou um tremendo sucesso nas vendas do seu próprio tênis — um verdadeiro hype. “Eles já representam 6% das vendas”, comenta Furnari. O desempenho dos novos produtos contribui para o avanço das margens. Mostra disso, mais uma vez, está no balanço.

No Brasil, enquanto o volume de pares teve aumento de 16,8% no acumulado de janeiro a setembro, a receita do período cresceu 30%.

Soma um, noves fora — e, brincadeiras à parte — a Alpargatas teve um crescimento de 66,3% no lucro líquido recorrente atribuído ao acionista controlador, para R$ 409,5 milhões. E o caixa rei como anda? De julho a setembro aumentou de R$ 867 milhões para R$ 915 milhões. Tudo isso, com uma dívida bruta da ordem de R$ 250 milhões. Num mundo em que crescimento tem muito valor, não espanta caber nessas contas aumento de capacidade, dividendo e planos de aquisições. Saúde financeira para isso tem.



Categoria
Compartilhe

Compartilhe por email

Preencha o nome e email para quem você deseja compartilhar

JÁ SOU CLIENTE

Acesse sua conta mais rápido! Faça seu login com o Facebook.
*O e-mail cadastrado deve ser o mesmo da conta do Facebook.
E-mail
Senha

NÃO SOU CADASTRADO

Faça seu cadastra de forma rápida e fácil, basta logar com o Facebook.
E-mail
Primeiro nome

Esqueci minha senha

Preencha seu e-mail abaixo. Você irá receber uma nova senha por e-mail.
E-mail

OPS!